quinta-feira, maio 18, 2006
Fado do encontro 2

Alguns meses depois, fui contatado pela EMI no sentido de fazer um fado para a Mariza, na sequência das conversas de Paris. Fiquei mesmo orgulhoso, e logo a seguir receoso, porque não sabia como começar, nunca tinha feito um fado.
Fui de férias, seria Setembro, em St Maria, Açores, e concentrei-me na letra, começando na primeira linha, "vou andando, cantando..."
Entretanto tentei fazer uma harmonia original, mantendo a linha melódica que começava a estar colada á letra. A inclusão do acorde dissonante logo na segunda posição dava o ambiente que eu precisava, e a letra/melodia cada vez pareca mais um caminho....Achei que estava numa direção boa, não sabia era bem para onde...Entretanto, já no Outono do Continente, a letra encaminhou-se para alguém que procura outro que se refugiou, inacessível. Parecia-me bem fadista alguém que toma o destino nas mãos e vai á procura dele.
 
Escrito por Mc, às 7:09 da tarde | Permalink |


13 Comentários:


  • At 10:45 da manhã, Anonymous Anónimo

    talvez este seja um tópico que permite a ousadia de nos expressarmos sobre o turbilhão que sentimos ao ouvir o que alguém escreveu... como se fosse um poema sobre o qual nos debruçamos em análise... assim sendo, desculpem a minha ousadia, mas não resisto... adoro a doçura desta música, desde o primeiro momento...

    tanto há a dizer sobre a lateralidade dos coceitos sentidos no "fado do encontro"... os sentimentos paralelos abundam...é a beleza uma declaração de amor a alguém que já foi embora, uma certeza que permanece num coração pleno de saudade... uma certeza de se ter amado alguém que nunca se esquecerá e a felicidade de nunca se querer esquecer... enfim, uma "tragédia" (não sei se este será o melhor termo!) fadista ou a verdade de se ser, gostosamente, "blue"... em que a saudade traz memórias da felicidade de se ter encontrado, de se ter estado... em que tudo é, por certo, vontade... em que tudo é, por certo, destino... em que tudo é, por certo, a certeza da verdade...

    marta

     
  • At 11:00 da manhã, Anonymous Anónimo

    e mesmo que amar demais seja loucura e amar de menos seja maldade...
    uma vez amado, amado sempre...
    ;)

     
  • At 11:53 da manhã, Anonymous Anónimo

    Fantástico! O blogue está fantástico! Quem é fã, ainda o é com mais força, mais orgulhoso, quem não ainda não é, começa a ponderar se estará atrasado ou no lado errado. Se tudo correr como espero, lá estaremos em Tondela. Que a força e a inspiração se mantenham a ti coladas. Bjs. Maria Aveiro

     
  • At 1:51 da tarde, Anonymous Hugo Daniel (ME9)

    ja que falam de tondela... aconselho a fazerem reservas, segundo ouvi dizer o espaço não é muito grande...
    Eu ja fiz a minha ;)

    Beijos e Abraços

    Hugo

     
  • At 5:07 da tarde, Blogger Tommy_Gun

    Realmente, acredito que não tenha sido propriamente fácil para ti entrar nesse mundo dos fados. Mas julgo que a "piada" que andar no mundo da música também é um pouco isso, o entrar por caminhos nunca percorridos antes... Na minha opiniãopenso que o fizeste muito bem, porque a letra é muito fadista (muito ligada a esta coisa estranha que ás vezes é o destino) e a música também transmite claramente essa essência.

    Um abraço e parabéns pelo concerto de ontem, foi bem porreiro!:)

    Tommy_Gun #xutos

     
  • At 3:03 da manhã, Anonymous facal

    Parece-me bem (e à vaca de pluxe também)... a essência de ser músico passa muito por aí.

    fado do encontro 3 a caminho?

    abraço grande pah!

    joao, facal
    #xutos andarilhos

     
  • At 10:35 da tarde, Anonymous Vakinha de Stº António,a análoga da vakinha de peluxe - companheiras de pradaria

    De facto...muito haveria a declamar,concernentemente,ao âmago deste fado do encontro...cujo trajecto delineado,rumou ao cerne e insondável do meu ser,no instante primogénito do degusto daqueles acordes...daquela doce melodia...e denunciou as minhas lágrimas(sim,porque as vacas também choram...mesmo as de Stº António...ou as de peluxe...)na obscuridade de um concerto...Receio infundado o teu,aquando o exórdio deste magnificente tema,porque o desfecho foi sumptuoso...

     
  • At 3:46 da tarde, Anonymous Vakinha de Stº António

    PS - Efectivamente,grande concerto o do dia 18...levaram ao rubro a capital do verde (e grandioso) Minho

     
  • At 6:19 da tarde, Anonymous Anónimo

    estiveram mto bem a fazer a 2ª parte da tuna académica

     
  • At 12:36 da manhã, Blogger escuteirinha X

    Ao ver a tua actuação nos globos de ouro, vieram-me as lagrimas aos olhos ... arre q estou mm a ficar estupida ... n chegaa teimosia vem agora o fado. Foi um momento muito bonito que mesmo sem a Marisa espero que me derreta num concerto para os lados de cá...

     
  • At 12:45 da manhã, Anonymous porta_xaves

    simplesmente lindo o "fado do encontro".. duas vozes bem diferente mas que juntas fazem um belo dueto!!

     
  • At 2:20 da tarde, Blogger Xein

    Está tudo dito. Além de que, quem já tem um comentário duma Vakinha, num tempo em que as vacas estão tão na moda, já tem tudo!!!

    É maravilhosa amelodia, a letra, a interpretação... Tudo.


    Sente-te!

     
  • At 10:04 da tarde, Anonymous Olavo

    Tim,
    Como não tens vida para estar sempre a criar CD's originais (tomara que tivesses) tens que arranjar tempo para fazeres um CD com as melhores músicas portuguesas.
    Obrigado por teres gravado "um e o outro"!